Novidades

Trem flutuante chega a uma velocidade de 500 km/h em testes no Japão

O Japão começou a testar a implantação dos conhecidos “Maglevs”, trens ultra rápidos que praticamente levitam por meio de magnetismo nos trilhos. Nos testes da Central Japan Railway, realizados em Tsuru, foi possível atingir velocidades máxima de até 500 km/h (sim!) A viagem no entanto, foi restrita apenas a convidados e a imprensa.

Trem rápido do Japão
Fonte da imagem: Telegraph

De acordo com a imprensa, foi possível cruzar uma distância aproximada de 42,8 quilômetros em um curto espaço de tempo. A nova e conceituada tecnologia dispensa a necessidade de um condutor e utiliza um sistema chamado “L-Zero”.

O sistema L-Zero acelera o trem até a velocidade de 160 km/h, quando entra em ação o sistema Maglev, que lentamente acelera o veículo até a velocidade máxima de 500 km/h. O trem vai operar entre as cidades de Tóquio e Nagoya. Entretanto, só deve estar totalmente operacional apenas em 2027, com quatro estações no percurso total de 286 quilômetros.

Por ser uma tecnologia nova e respectivamente, com o seu preço muito elevado, os Maglevs ainda estão bem distantes de ser amplamente adotados por lá. A única linha comercial já está operando plenamente está na China, em Xangai, onde o trem ultra rápido percorre o caminho de 30 quilômetros até o aeroporto em apenas 8 minutos.

E você, o que acha do novo conceito de trem ultra rápido? Compartilhe a sua opinião conosco!

Fonte: Japan Today

Novidades
@tfxbrasil

Tenho 18 anos, Fundador & CEO do TFX Startup, uma empresa com produtos, serviços e projetos inovadores. Meu primeiro empreendimento foi aos 10 anos utilizando conexão dial-up (discada).

Veja também outras matérias relacionadas a Novidades:

Review: Cuphead

Juan de Souza30/09/2017

Como economizar a bateria do seu iPhone?

Juan de Souza21/09/2017

Nostalgia: Cyberchase

Juan de Souza27/07/2017

Os maiores clássicos do Super Nintendo

Juan de Souza01/06/2017

Nostalgia: Nintendo 64

Juan de Souza12/05/2017

Noruega está construindo um túnel submerso e “flutuante”

Juan de Souza26/07/2016