Grandes Filmes: E.T. – O Extraterrestre - TFX
Cinema

Grandes Filmes: E.T. – O Extraterrestre

Em 1977, Steven Spielberg lançava “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” e, como sempre foi um apaixonado por alienígenas e ficção científica, o diretor teve uma repentina ideia. E se o extraterrestre ficasse na Terra? Então, imediatamente convenceu Melissa Mathison a escrever um roteiro para esta história e, cinco anos depois, E.T. saía nos cinemas.

O filme, essencialmente, trata de vários temas. Principalmente do amadurecimento e da compaixão. Sendo considerado o mais pessoal filme do diretor, é muito difícil não se identificar com os personagens.

Grandes Filmes: E.T. - O Extraterrestre
Fonte da imagem: Spinoff Online

E.T. é um filme para toda a família. Talvez o filme mais família de todos os tempos. Spielberg consegue alternar entre ficção científica, aventura e suspense de uma forma muito orgânica. É impressionante a forma como o espectador fica preso à história.

Muito conhecido por isso, o diretor também foi capaz de extrair ótimas atuações das crianças. E até do alienígena! Que em algumas cenas era uma robô, e em outras, um anão fantasiado. E é de espantar a verossimilhança do personagem visualmente. E a voz contribui imensamente para a construção de um dos personagens mais carismáticos e icônicos da história do cinema.

Mesmo sendo um filme para crianças, ele foi aclamado por pessoas de todas as idades e até pela crítica. O longa ainda rendeu inúmeras cenas que ficaram para a história. Quem não se lembra da bicicleta passando pela lua (que até virou o símbolo da produtora de Spielberg, “Amblin”), ou mesmo da clássica fala: “E.T. phone home”?

Grandes Filmes: E.T. - O Extraterrestre
Fonte da imagem: Spinoff Online

Elliot, interpretado por Henry Thomas, funciona muito bem como o protagonista. A falta que ele sente do pai é muito bem retratada. O que é, inclusive, um tema recorrente em quase todos os filmes do diretor. Falta essa que é preenchida pelo extraterrestre. Este talvez seja o filme que mostra o mundo pelos olhos de uma criança da forma mais verdadeira e, em alguns momentos, muito sutil. Como, por exemplo, o fato do rosto dos adultos nunca aparecer até o clímax do filme (com exceção da mãe). Spielberg sempre deixa a câmera no nível dos olhos das crianças, o que gera uma identificação quase que imediata do público. E, quando Elliot amadurece o suficiente, os adultos começam a aparecer.

Se há um fator que transforma “E.T. – O Extraterrestre” de um filme excelente para um filme inesquecível, é a trilha sonora de John Williams (gênio!). Que traz, na minha opinião, o melhor tema de toda a sua carreira. É praticamente impossível não se emocionar quando a música sobe e acompanha o filme criando, literalmente, um espetáculo áudio-visual.

Bom, se você não vê este filme há muito tempo, vale a pena revisitar estes personagens. E se você nunca viu e gosta de cinema, não perca tempo. “E.T.” é divertido, engraçado, triste, assustador, transformador, emocionante e nostálgico. “E.T.” é uma obra-prima do cinema.

Grandes Filmes: E.T. - O Extraterrestre
Fonte da imagem: TheBigList

E aí? Gostou da ideia de escrevermos sobre Grandes Filmes? Comente aqui embaixo sobre quais filmes você quer que nós escrevamos e o que você acha de “E.T. – O Extraterrestre”.

ImagemBlastr

Cinema
@https://twitter.com/behippert

Meu nome é Bernardo Hippert, diretor da Aibu's Films. Amante de cinema e nerd old school.

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Os Incríveis 2

Juan de Souza03/08/2018

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016