Games

Nostalgia: Resident Evil 4

Resident Evil 4? Nostálgico? Claro que sim! Dez anos se passaram desde que a própria Capcom produziu e divulgou o game. O mesmo realizou tanto sucesso que possui 10 versões disponíveis para plataformas distintas além de remasterizações. Conseguiu decepcionar e conquistar fãs da saga. Porque? Confira a análise!

De volta para o Futuro 2015
Fonte da imagem: Tribo Gamer

Em 2005, Capcom anuncia mais um game da gloriosa saga de survival horror em 3ª pessoa (single player). Porém não foi lá o prometido. Resident 4 teve diversas cenas de ação, retirando a tensão de extremo terror constante na qual eram tão reconhecidos por seus últimos games. Por outro lado, o produto entregue foi espetacular na maioria das visões todas as reviews tiveram uma alta colocação do game. Mesmo não possuindo tanto terror, o game teve cenas épicas de lutas, falas e vários momentos de terror. Quem não se assustou com aquele infectado queimado saindo do nada? Ou se irritou com a Ashley? Ou morreu de propósito para ver como o Leon ia morrer? Ou zerou milhares de vezes? Muitas lembranças…

Além de contar com um enorme arsenal de personagens jogáveis, armamentos e roupas também estavam disponíveis como extra ao zerar e/ou durante o game. Isso sem contar o tempo de gameplay (gigantesco, um dos melhores modos campanhas de todos os tempos) e o modo Mercenários na qual você escolhia um personagem do game e com o mesmo matava “zumbies” com tempo limite. E isso seguido de gráficos que até hoje algumas produtoras indies não alcançaram.

De volta para o Futuro 2015
Fonte da imagem: Tribo Gamer

A história é bem complexa para aquele que quer saber desde o começo, porém, a de Resident Evil 4 se consta no presidente dos EUA enviando Leon (agente do governo) para salvar Ashley (filha do presidente) em um local da Espanha, onde não tem ideia do que o mesmo irá encontrar. A trama se desenvolve por aí com a clara exibição das personalidades de cada personagem envolvido. Leon é corajoso, forte, se da bem com as mulheres além de ser extremamente bom no que faz. Desde Raccoon City e a partir disso só crescendo. Ashley é medrosa, porém com o decorrer do game vai ganhando coragem mas nunca chega a utilizar armas de fogo. Ada é uma agente secreta que vai ao local com outro objetivo, diferente do de Leon, a mesma possui o fator sexy, luta artes marciais e possui diversos ” gadgets ” para facilitar sua locomoção e aniquilação de las plagas. E assim por diante, são muitos personagens (Salazar, Krauser, Saddler, Ada, Luis Sera…) e todos muito bem desenvolvidos e únicos (incluindo-se os inimigos).

As cutscenes muito bem trabalhadas, algumas delas com combinações (como a incrível e inesquecível luta do Leon com Krauzer ou até o Mike metralhando geral através de um helicóptero para salvar Leon cercado por contaminados ) e bosses que aumentam e proporcionam mais e mais vontade de continuar o game, um dos únicos do mundo que mantém o ritmo dinâmico com batalhas, puzzles e enredo alimentador da vontade de continuar jogando. O game foi e até hoje é um dos maiores lançamentos de todos os tempos por cada detalhe do mesmo. Somente jogando se entende sua importância e qualidade. Caso não tenha jogado, vale a pena!

Imagem: 1Zoom

Games

Sou do Rio de Janeiro, fanático por games, tecnologia em geral desde pequeno, além de filmes e matemática.

Veja também outras matérias relacionadas a Games:

Review: Forza Horizon 4

Juan de Souza19/10/2018

Review: Mega Man 11

Juan de Souza14/10/2018

Cobertura BGS 2018: Confira as novidades!

Juan de Souza10/10/2018

Review: Shadow of the Tomb Raider

Juan de Souza15/09/2018

Xbox Game Pass é repaginado completamente. Confira!

Juan de Souza01/08/2018

Vale a pena jogar o No Man’s Sky Next?

Juan de Souza29/07/2018