Cinema

Resenha: Missão: Impossível – Nação Secreta

Tom Cruise decola num avião pelo lado de fora! E esta é apenas a primeira cena do filme. Aqui está uma perfeita descrição do que você encontrará ao ver o quinto capítulo da franquia. Cada vez, Cruise faz cenas mais mirabolantes e perigosas (isso tudo sem usar dublês!). Essa é a marca registrada da série. E com o quinto filme não é diferente.

Escrito e dirigido por Christopher McQuarrie (Os Suspeitos), a trama é sobre os personagens principais numa tentativa de provar que uma organização criminosa realmente existe mas, para isso, precisam agir clandestinamente. Mas a história não é o foco aqui. O roteiro é eficaz ao amarrar uma na outra e deixa bem claro que elas são o elemento principal. McQuarrie tem completa consciência de quem é este protagonista e isso fica bastante explícito no filme, além de contibuir bastante no desenvolvimento de personagem.

Fonte: AMC

Tom Cruise mostra novamente uma entrega total ao filme. Assim como o diretor, ele sabe quem é Ethan Hunt. Afinal, este é o quinto filme no mesmo papel. Nuances na sua performance provam isso e dão uma absoluta credibilidade ao personagem e consequentemente, ao filme.

Rebecca Ferguson interpreta Ilsa Faust que é, praticamente, uma versão feminina de Hunt. Sem dúvida é a mulher mais forte de toda a série. Ela não se reduz apenas ao par romântico de Cruise, como aconteceria na maior parte dos filmes Hollywoodianos. Ela luta para valer e defende seus próprios interesses. Sejam eles comuns ou não com os do protagonista. Ferguson criou uma personagem extremamente interessante e que, muito provavelmente, deve continuar na franquia.

O ajudante de Ethan é vivido por Simon Pegg. Ele funciona muitas vezes como um alívio cômico. O ator tem um tempo de comédia excelente. E, nesse filme ele tem muito mais tempo de tela do que nos anteriores e ajuda a dar o tom de leveza necessário.

Jeremy Renner e Ving Rhames, muito presentes no filme anterior (Rhames, já desde o primeiro), são quase que deixados de lado aqui. Porém, mesmo com o pouco espaço, é sempre bom revisitar estes personagens “antigos”.

O filme não tem uma identidade visual marcante, diferentemente do terceiro ou do quarto capítulos da série. Mesmo assim, são criadas algumas cenas marcantes que ficarão para a história da franquia. Assim como a fotografia, a direção também é apenas funcional. As sequências de ação são muito bem filmadas e geograficamente muito claras. Porém, McQuarrie não acerta em cheio no ritmo. O filme fica um pouco arrastado na segunda metade. Dá a impressão que uns vinte minutos poderiam ter sido cortados dali.

Ao final, o longa é divertido e empolgante na sua maior parte. Não é o melhor filme da série, mas isso se dá porque os concorrentes são bem fortes. Com um tema de trilha sonora extremamente cativante e cenas de ação mirabolantes, ao ver Missão Impossível, o espectador decola junto com Tom Cruise.

Fonte da imagem: pcmag.com

  • Sonia Maria Custodio

    Ficou muito bom! 😀
    Meus parabéns Bernardo Hippert! Sucesso!!

    • Bernardo Hippert

      Obrigado!

  • Pedro Gouvea

    Perfeito artigo, show de bola!
    Aliás, quando sai um novo podcast? hehe Valeu!

  • Lucas Andrade

    Cara esse filme é o melhor de todos. Fiquei deslumbrado com tanta ação e momentos “nostálgicos” da interpretação de “Tom Cruise”. Sai da sala com o sorriso largo de felicidade, de verdade. Dinheiro bem investido, sem dúvidas. Aproveitem ao máximo na cena da ópera, a banda sonora e o enredo da cena é absolutamente fantastico.

Cinema

Meu nome é Bernardo Hippert, diretor da Aibu's Films. Amante de cinema e nerd old school.

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016

Crítica: Esquadrão Suicida

Juan de Souza05/08/2016