Games

Review: Journey

“Journey” é um título que foi lançado há algum tempo para o PlayStation 3 pela ThatGameCompany. Recentemente, o mesmo foi lançado para o PlayStation 4, mantendo o mesmo formato inovador: inspirar sua simplicidade e criatividade, apresentando algo bem diferente e imperdível. Descubra em nosso review o que achamos do game!

Journey Análise
Fonte da imagem: TGC

Em “Journey”, você controla um misterioso andarilho, que tem como missão cruzar um deserto e chegar ao topo de uma montanha “mística”. O game inclui poucas adições em aspectos de repertório do personagem – é possível pular mais alto e mais longe conforme você aumenta o comprimento do cachecol do protagonista e “chamados” são utilizados para ativar determinados itens e mecanismos do cenário.

O que chama atenção em “Journey” não é o que ele adiciona, mas como ele varia sem complicar demais. A primeira parte do jogo lembra bastante outro game da empresa, Flower, onde é preciso cruzar um amplo deserto ativando “passagens” na ordem que desejar e resgatar pedaços de pano e sinais brilhantes.

Journey Review
Fonte da imagem: TGC

Embora “Journey” seja quase perfeito, ainda há alguns detalhes que podem incomodar: quase não existe um herói. Quer um exemplo? Apesar de amplo, o deserto de Journey é bem delimitado. Isso porque, ao invés de inserir uma animação do andarilho voltando seu movimento em direção ao seu objetivo (uma solução adotada por muitos games), as paredes invisíveis de Journey são convenientes tempestades de areia que, empurram o player e evitam o progresso.

O “herói” em si, se limita a sua jornada, não pela sua própria vontade, mas pela do game. Por outro lado, pode parecer um problema mínimo, mas em Journey, a falta de uma resposta emocional do avatar bota em risco a capacidade de se importar com o belo deserto do game.

Análise Journey PlayStation
Fonte da imagem: TGC

Em termos de modo multiplayer, Journey faz um excelente trabalho. O interessante é que, quando você joga conectado na PlayStation Network (PSN), os jogadores são assimilados automaticamente a seu game, e não passam de uma presença discreta que você pode acompanhar, ou não.

Apesar da inexistência de um sistema de Mensagens, andarilhos podem interagir uns com os outros através de “chamados”, como informado anteriormente. A diferença é que, no multiplayer, atendem ao duplo propósito de aviso improvisado e amplia a maneira de recarregar o poder do “cachecol mágico” que permite aos personagens saltarem.

Nossa Opinião
  • Gráficos - 10/10
    10/10
  • Jogabilidade - 9.8/10
    9.8/10
  • Áudio - 10/10
    10/10
  • Criatividade - 10/10
    10/10

Conclusão

Em nossa opinião, "Journey" é um interessante e bem sucedido experimento em trazer a simplicidade em um formato completamente inovador. O game possui sérios problemas em criar uma história e um personagem realmente cativante, mas a ThatGameCompany conseguiu atingir uma espécie de "ápice" com Journey.

Por outro lado, se o objetivo de Journey sempre foi o de dar ao player emoções genuínas acima de tudo, então, seus visuais belíssimos, seu ritmo, sua variedade e até mesmo suas deficiências, são merecedores de nossa nota máxima da nossa equipe.

10/10

Imagem: TGC

  • Pedro Gouvea

    Esse jogo realmente merece nota 10! Muito bom!!!

Games
@tfxbrasil

Meu nome é Juan de Souza, tenho 17 anos de idade, sou o Fundador e CEO do TFX Startup, uma empresa com serviços e projetos inovadores, com o foco no Brasil e em outros países da América.

Veja também outras matérias relacionadas a Games:

Review: Carros 3: Correndo para Vencer

Juan de Souza22/06/2017

Os 8 bugs mais esquisitos da história dos games

Juan de Souza12/06/2017

Os maiores clássicos do Super Nintendo

Juan de Souza01/06/2017

The Legend of Zelda: veja as curiosidades

Juan de Souza19/05/2017

Nostalgia: Nintendo 64

Juan de Souza12/05/2017

Review: Slime Rancher

Juan de Souza08/05/2017