Cinema

Resenha: Operação Big Hero

Dessa vez, vamos analisar um filme diferente, cheio de aventuras e humor: “Operação Big Hero”, nova animação da Walt Disney Pictures que, pela primeira vez, explora personagens da filial Marvel Comics. Os escolhidos são: os conhecidos Big Hero 6, supergrupo de heróis inspirados no mangá japonês que, neste longa-metragem, ganham uma boa americanizada. Descubra em nossa resenha o que achamos do filme!

Análise Operação Big Hero
Fonte da imagem: Critical Hits

A história se baseia em San Frantokyo, cidade que guarda elementos de San Francisco – as famosas ladeiras, a Golden Gate, as roupas coloridas, os cumprimentos, a robótica e, é claro, os monstros da cultura japonesa. É lá que vive o garoto prodígio Hiro Hamada, que dedica a vida à construção de robôs para participar de lutas clandestinas, que podem render uma boa receita ao jovem.

Ciente do seu potencial, o irmão mais velho Tadashi dá um empurrãozinho para que o caçula utilize a sua inteligência para fins mais “úteis”. Com isso, o leva até ao maravilhoso mundo! O que, no mundo nerd, significa um imenso laboratório onde você pode produzir o que bem entender. Mas, como Stan Lee bem sabe, todo herói precisa de uma grande inspiração para existir. E será Tadashi o condutor para que Hiro não apenas encontre um rumo na vida, mas também forme um grupo de super-heróis.

Operação Big Hero Resenha
Fonte da imagem: Critical Hits

Sabendo do potencial de Hiro, Tadashi o leva até o seu laboratório, e lá apresenta seus amigos Wassabi (aficcionado por organização e lasers), Honey Lemon (expert em química), Go Go Tomago (especialista em física), e Fred (viciado em quadrinhos e muita, mais muita bagunça). Neste momento, conhecemos também Baymax, última invenção de Tadashi, um robô-enfermeiro que reconhece problemas de saúde ou psicológicos e faz de tudo para curá-los. A cada aparição de Baymax, prepare-se para se divertir bastante, pois a característica de Baymax é fantástica.

Em “Operação Big Hero”, os amigos têm de se juntar e formar um grande grupo, para enfrentar um vilão que veste uma máscara Kabuki. Embora não seja inovadora, a trama possui elementos certos para prender a atenção de crianças e adultos, com equilíbrio entre as cenas de ação e boas sacadas de humor (literalmente). Mas o principal elemento é, sem dúvida, a amizade entre Baymax e Hiro, que acaba ofuscando a presença dos demais heróis da turma. Não dá para dizer que é um desperdício, pois o vínculo entre os dois funciona tão bem quanto a ligação entre Daniel San e o Mestre Miyagi, sem saber quem aqui é mestre e quem é aprendiz, pois um aprende com o outro constantemente.

Operação Big Hero Resenha
Fonte da imagem: Critical Hits

O carismático robô inflável é a alma de Operação Big Hero. Não apenas pela cativante pureza do personagem ou pela qualidade de sua animação (é impressionante a textura do inflar e esvaziar), mas também pelo relacionamento que aos poucos desenvolve com Hiro, no sentido de melhor compreender a complexidade emocional humana. Uma trajetória que lembra bastante outro clássico da animação que aborda a amizade entre um robô e um garoto: O Gigante de Ferro. Até mesmo o desenrolar das duas parcerias é parecido, conceitualmente falando.

Conceituado como uma animação de super-heróis, Operação Big Hero entrega ao espectador uma boa dose de sequências de ação onde, a inexperiência do grupo de amigos é ressaltada algumas vezes. Contudo, é na empolgação destes “nerds heróis” que reside boa parte da graça do filme: eles não precisam estar nesta situação, mas curtem um pouco para vivenciá-las. Esta experiência, somada à mistura de culturas diferentes, além da amizade crescente entre Baymax e Hiro, tornam Operação Big Hero um filme bastante divertido.

Agora, aquelas pessoas que gostam de sair da sala de cinema ao aparecer os créditos finais, um aviso importante: há uma cena extra bem no finalzinho do filme, estrelada por um ícone marcante da Marvel, algo que esteve presente em “Homem-Formiga“, por exemplo. Divertida e emblemática, vale a pena esperar para conferir.

A boa notícia para os fãs: foi confirmado que uma sequência do filme já está em produção e, vai chamar-se Big Hero 7. A continuação ainda vai levar um certo tempo (literalmente). O filme está previsto para ser lançado no final de 2017. A informação foi confirmada pela Marvel e Stan Lee, o filme voltará a ser realizado por Don Hall e Chris Williams e produzido por Roy Conli e Stan Lee irá voltar a dar a voz ao Pai do Fred fazer parte do roteiro do filme.

Nossa Opinião
  • Enredo - 10/10
    10/10
  • Animação - 10/10
    10/10
  • Direção - 8.9/10
    8.9/10
  • Dublagem - 10/10
    10/10
  • Trilha Sonora - 9.8/10
    9.8/10

Conclusão

Operação Big Hero é o típico filme de origem, que necessita de um bom tempo para apresentar cada um dos personagens principais e também suas motivações. A animação segue o tradicional "Padrão Disney" de qualidade, assim como a história, onde há presença de valores familiares, além de se posicionar a favor da ciência na eterna luta contra o capitalismo, por mais que o suposto vilão seja apresentado de forma um tanto quanto tendenciosa.

O filme foi um grande sucesso de público e crítica. O filme teve mais de 80% de resenhas positivas no Rotten Tomatoes, e uma nota de superior a 74 em 100 no Metacritic. Depois de alguns meses, o filme conquistou o prêmio de Melhor Filme Animado no Oscar 2015.

9.7/10

E você, o que acha do filme “Operação Big Hero”? Compartilhe a sua opinião conosco!

Imagem: Critical Hits

  • Sonia Maria Custodio

    Muito bom!! Parabéns pelo artigo!!

Cinema
@tfxbrasil

Meu nome é Juan de Souza, tenho 17 anos de idade, sou o Fundador e CEO do TFX Startup, uma startup com serviços e projetos inovadores, com o foco no Brasil e em outros países da América.

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016

Crítica: Esquadrão Suicida

Juan de Souza05/08/2016