Cinema

Resenha: Perdido em Marte

Baseado no livro best-seller de mesmo nome, o filme mostra a história de Mark Watney, um astronauta botânico que após se separar de sua equipe em uma missão, é deixado para sobreviver em Marte, com rações limitadas e habitação em perigo.

Perdido em Marte Análise Avançada
Fonte da imagem: 20th Century Fox

A premissa do filme é mostrar o que acontece quando um membro da tripulação Ares IV, após uma tempestade, ser dado como morto devido a quebra na comunicação entre ele, a NASA e sua equipe. O psicológico de qualquer pessoa seria simplesmente desistir e esperar até a iminente morte, porém Mark Watney se recusa a tomar tal atitude e contra todas as probabilidades, ele decidi racionar e plantar sua comida, com esperanças de que alguém iria busca-lo. Sua aventura causa desastres e altas emoções para as pessoas na terra, unindo povos de diferentes nações no resgate de um humano preso em Marte. O grande problema para Mark era o tempo em que ficaria em Marte até sua oportunidade de escapar, dependendo sempre do clima do planeta e de suas ferramentas e experiência em botânica.

O modo de como o roteiro, Matt e Ridley se encaixam é sensacional. A atuação de Matt captura perfeitamente o ar do personagem, com bom humor e referências, se relacionando ao nosso presente. Algo que Matt e Ridley executam muito bem, é a narração que o personagem de Matt faz durante sua aventura, o contexto da narração são as mensagens deixadas por Matt durante sua estadia em Marte.

A direção de Ridley Scott é muito bem aproveitada no filme, conseguindo distinguir muito bem as cenas de narração do personagem das cenas vívidas por ele. A variação das cenas entre Marte, Terra e espaço sideral são perfeitamente sincronizadas, evitando o desinteresse / favorecimento do público por uma das dimensões do filme. A trilha sonora do filme consegue marcar presença, porém não é algo marcante suficiente.

Um filme que realmente trouxe de volta a ficção científica de um modo bem humorado, porém ainda tenso quando preciso, além de provar que Ridley Scott ainda tem filmes bons guardados.

Nossa Opinião
  • Enredo - 9.5/10
    9.5/10
  • Elenco - 8.5/10
    8.5/10
  • Direção - 8.3/10
    8.3/10
  • Trilha Sonora - 8/10
    8/10
  • Visual - 8.5/10
    8.5/10

Conclusão

A atuação carismática de Matt Damon coube perfeitamente no novo trama de ficção de Ridley Scott, inspirado no livro de mesmo nome escrito por Andy Weir.

8.6/10

E você, o que acha de “Perdido em Marte”? Compartilhe a sua opinião conosco!

Imagem: 20th Century Fox

  • Soraia Nunes

    fui assistir esperando mais Gravidade do que Interstellar, mais baseado na fé do que na ciencia de que o renomado diretor Ridley Scott faria um bom trabalho mas logo larguei meus dogmas religiosos de lado e embarquei nessa jornada cientifica, enquanto Nolan explodia o tubo de ensaio na sua cara e Cuaron mexia com produtos quimicos que não davam em nada no seu laboratorio espacial, Ridley Scott te convida a brincar no parque da Nasa, mas nao eh um convite gratuito pois o preço eh queimar a sua cruz de fanatismo em prol do uso da razao, uma jornada que mostra a solidão coletiva da pequenez do homem no espaço diante das adversidades, o diretor eh o mestre do Sci-fi, e nesse filme ele enfatiza a fusao do homem coma ciencia para alem do fanatsmo dos crentes….. Em geral, o 3D eh muito bom, e o sadico diretor faz questao de transmitir um pouco da angustia da situaçao por ele, vc eh apenas um voyeur impotente que nao pode ir la auxiliar o astronauta e ele ri disso

    a trilha sonora no geral eh fraca mas ate isso eh explicado no filme de forma divertida

Cinema

Sócio da Aibu’s Films, escrevo para o site e sou estudante no Ensino Médio.

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016

Crítica: Esquadrão Suicida

Juan de Souza05/08/2016