Games

Review: Black Ops 3 Zombies – Shadows of Evil

O novo game anual da franquia “Call of Duty” teve um de seus piores lançamentos devido a baixa expectativa e falta de recursos inovadores por parte de sua desenvolvedora (Treyarch). O game possui diversos modos, porém neste artigo estaremos analisando somente o modo Zombies à pedidos de nossos leitores.

Call of Duty Black Ops 3 Zombies Review
Imagem/Reprodução: Ars Technica

O clássico modo de jogo, existente desde 2008 (World At War), sofreu mudanças que não ecoaram de forma positiva na comunidade gamer. Nos dando a questão central que resume todas as alterações; Por que mexer na obra que todos amam e estão acostumados a amar? Dentro diversas alterações estéticas em termos gráficos, o modo tornou-se mais competitivo com o “ranqueamento” por níveis e símbolos de altas conquistas como a famosa caveira com doze do Black Ops 2. Além desta alteração voltada à valorização de status, outra mudança foi a personalização das armas com acessórios já conhecidos pela comunidade “Gamer Shooter” sendo os mesmos desbloqueados com o tempo e aumento de nível, (miras, empunhaduras, pente estendido, entre outros…).

Call of Duty Black Ops 3 Zombies Review
Imagem/Reprodução: Ars Technica

Foi também aumentada a dificuldade saindo do clássico 2 “hits” morre para 3. O que também causou uma resposta negativa por parte dos fãs. Seguindo essa negatividade, a implementação de monstros em excesso também marcou a indignação porém, até o momento do lançamento, em um único mapa. Outra crítica foi em base da comparação dos games anteriores. Os mapas além de serem maior e mais exploráveis possuíam uma ambientação melhor distribuída e aproveitada com itens escondidos, o que é característico da série (“easter eggs”, músicas).

Call of Duty Black Ops 3 ZOMBIES Review Análise em Português
Imagem/Reprodução: Ars Technica

Porém, no lançamento de Black Ops 3, foi oferecido um único mapa (games antecessores ofereciam até 4 mapas) com jogabilidade não ampla, linear, monótona além da baixíssima variedade de itens para interação (que para compensar com seu aumento incluíram pílulas que dão ao jogador habilidade extras por um determinado tempo) e colocando todo o peso na qualidade gráfica para justificar como ponto mais alto, mas não é a qualidade gráfica que mais importa (erraram feio nisso).

Para concluir, a expectativa acumulada para o novo modo Zombies que era aguardado desde o fim das expansões de Black Ops 2 foi enfim amassada e jogada no chão pelos desenvolvedores do game com as alterações que tornaram o modo em uma campanha competitiva com jogabilidade linear e pouca variedade de ambientação interativa sem a liberdade anterior de movimentação. Enganando os jogadores com um único mapa de qualidade gráfica belíssima e entupido de informações inúteis e para decoração inibindo assim a duração da jogatina (enjoa muito rápido) e seu aproveitamento.

Nossa Opinião
  • 8.8/10
    Gráficos - 8.8/10
  • 7/10
    Jogabilidade - 7/10
  • 4.5/10
    Entretenimento - 4.5/10
  • 5.7/10
    Composição Ambiental - 5.7/10
5.2/10

Imagem: Ars Technica

Games

Sou do Rio de Janeiro, fanático por games, tecnologia em geral desde pequeno, além de filmes e matemática.

Veja também outras matérias relacionadas a Games:

Review: Forza Horizon 4

Juan de Souza19/10/2018

Review: Mega Man 11

Juan de Souza14/10/2018

Cobertura BGS 2018: Confira as novidades!

Juan de Souza10/10/2018

Review: Shadow of the Tomb Raider

Juan de Souza15/09/2018

Xbox Game Pass é repaginado completamente. Confira!

Juan de Souza01/08/2018

Vale a pena jogar o No Man’s Sky Next?

Juan de Souza29/07/2018