Games

Review: Just Cause 3

O protagonista da série, Rico Rodriguez, volta pra sua terra natal, a ilha fictícia de Medici. O ditador opressor Sebastiano Di Ravello transformou a linda joia do mar que é Médici em uma terra miserável e repleta de podridão.

O jogo traz Rico de volta, mais velho e mais experiente, dessa vez, além da ajuda de Tom Sheldon, o agente duplo super norte-americano, ele também terá ajuda de Mario Frigo, um grande amigo do passado, celebridade e revolucionário, Dimah, a física teórica por trás de todos os equipamentos de Rico, Annika, Teo, Rosa Manuela e outros simpatizantes da rebelião.

Just Cause 3 Review Análise em Português
Imagem/Reprodução: GameSpot

Para aqueles não familiarizados com a série, Rico Rodriguez teve seus pais assassinados quando criança e foi recrutado pela “agência” por Tom Sheldon, quando muito jovem já demonstrava habilidades fora do comum, provando que ele sozinho conseguia derrubar governos e massacrar batalhões, se tornando um exército de um homem só, destinado à derrubar governos ditatoriais. E assim continua desde então, com seu gancho e infinitos paraquedas, junto com a nova adição do sky-diving.

O enredo é básico, tão básico, que aparenta se repetir com muita facilidade, liberar as províncias da região, destruir a FOW (ataque aéreo que protege a base), liberar a base, vencer a guerra, e depois de repetir isso umas 3 vezes, o player enfrenta Di Ravello em uma batalha fácil e sem emoção. Mas os desenvolvedores já afirmam que o objetivo do jogo não é esse, e sim dar a liberdade de ” pegar uma bazuca e explodir tudo, se divertindo ” e nisso eles acertam em cheio.

Just Cause 3 Review Análise em Português
Imagem/Reprodução: GameSpot

A quantidade de entretenimento que o jogo oferece é surpreendente, tendo sempre algo divertido e destrutivo pra fazer, claro que deve ser bem mais divertido se o player ser criativo com a destruição. Isso é se o game não sofrer bugs, porém, dói informar que por enquanto o jogo está cheio de bugs, glitches e quedas de frames, seja enquanto você ataca uma base ou dirigindo pela rua.

A maior conquista dos gráficos do jogo, seriam as paisagens e ambientes, que somados ao efeito de destruição, realmente proporcionam uma ótima experiência ao player. Quanto ao áudio do jogo, a trilha sonora só aparece em menus, pois durante o jogo só ouvimos explosões e comunicações pelo rádio. E a dublagem em português brasileiro aparenta estranha no início, porém é fácil de se adaptar, com poucos erros de sincronização e vozes de dubladores conhecidos.

Nossa Opinião
  • Entretenimento - 10/10
    10/10
  • Direção - 8.7/10
    8.7/10
  • Dublagem - 7.9/10
    7.9/10
  • Qualidade Gráfica - 9.5/10
    9.5/10
  • Jogabilidade - 9.3/10
    9.3/10

Conclusão

O jogo é definitivamente subjetivo, o player deve não se importar com o enredo, botar um rock explosivo dos anos 80 e curtir as explosões, é realmente difícil alguém ficar triste jogando.

9.1/10

Imagem: GameSpot

Games

Sócio da Aibu's Films, escrevo para o site e sou estudante no Ensino Médio.

Veja também outras matérias relacionadas a Games:

Review: Carros 3: Correndo para Vencer

Juan de Souza22/06/2017

Os 8 bugs mais esquisitos da história dos games

Juan de Souza12/06/2017

Os maiores clássicos do Super Nintendo

Juan de Souza01/06/2017

The Legend of Zelda: veja as curiosidades

Juan de Souza19/05/2017

Nostalgia: Nintendo 64

Juan de Souza12/05/2017

Review: Slime Rancher

Juan de Souza08/05/2017