Cinema

Nostalgia: WALL-E

Dessa vez, vamos falar de um filme clássico da Walt Disney, que marcou (e muito!) os cinéfilos de plantão, estamos nos referindo de “Wall-E”, produzido pela Pixar Animation Studios, e lançado no princípio de 2008. A história é bem interessante e segue um robô chamado WALL-E, criado no ano de 2100 para limpar a Terra.

O filme se passa no ano de 2805, época em que a Terra é um planeta completamente abandonado e coberto por uma gama muito extensa de lixo, resultado de décadas de consumismo em massa, facilitado pela BnL. Desistindo de restaurar o ecossistema, a BnL evacuou a Terra, levando a população a viver no espaço em uma nave estelar chamada Axiom, totalmente automatizada, deixando no planeta apenas um exército de robôs compactadores de lixo chamados “WALL-E” para limpeza completa.

Informações curiosas Wall-E
Imagem/Reprodução: Paste Magazine

No entanto, no ano de 2110, o ar da Terra se tornou bastante tóxico, o que tornou impossível suportar a vida humana no mesmo, forçando grande parte da humanidade a permanecer no espaço por um tempo indefinido. Contudo, no começo do filme, apenas uma unidade WALL-E permanece ativa, tendo construído uma personalidade elevada e própria, com o hábito de coletar vários artefatos do lixo enquanto realiza seu trabalho e se tornando amigo de uma barata. Um dia, WALL·E descobre uma pequena planta crescendo em meio ao lixo e a leva para casa, em um depósito.

Um certo tempo depois, uma espaçonave aterrissa e implanta a EVA, uma robô bem avançada tecnologicamente, enviada pela nave autorizada da BnL, com a diretriz de buscar sinais de vegetação e de potencial vida presente no Planeta Terra. Porém, o que poucos não imaginam é que WALL-E se apaixona pela inicialmente fria e hostil EVA, que, gradativamente, se abranda e se torna “amiga” dele.

Wall-e Filme Curiosidades
Imagem/Reprodução: Paste Magazine

Com isso, quando WALL-E a direciona ao depósito e lhe mostra a planta, EVA automaticamente a guarda, entrando em modo de espera, enviando um sinal de recolhimento para a nave. É nesse momento que uma das maiores e épicas cenas são exibidas: WALL-E a leva para um passeio de barco em um rio de lixo, a protege de tempestades e cuida de EVA. Quando a nave chega para resgatar a EVA, WALL-E se agarra à superfície exterior do foguete e parte para a Axiom, sendo levado.

Por falar na “Axiom”, é nela onde os seres humanos estão vivendo, em um ambiente de microgravidade e dependendo totalmente dos sistemas automatizados e tecnológicos, sofreram severas perdas de massa óssea e se tornaram obesos com o passar dos diversos séculos. Para se ter uma ideia, o capitão da nave faz pouca coisa, deixando o controle da Axiom para o piloto automático, o Auto.

Wall-e Walt Disney Nostalgia
Imagem/Reprodução: Paste Magazine

Nesse contexto, WALL-E segue EVA até a base de comando principal da nave, onde o capitão descobre, ao escanear, a amostra de uma planta coletada por EVA, que o Planeta Terra é habitável novamente e que a Axiom deverá fazer um hiper salto para retornar ao planeta para que seus passageiros possam recolonizá-la. Porém, nem tudo são flores, o Auto ordena que um robô assistente do capitão, roube a planta como parte de uma diretriz final para manter a humanidade longe da Terra, já que a vida foi incorretamente considerada insustentável cerca de 700 anos antes.

O problema é que, como a planta se encontra desaparecida, EVA é considerada como uma robô defeituosa e enviada para reparos técnicos junto o robô WALL-E. Ele confunde a inspeção de EVA e a liberta, acidentalmente libertando também um grande número de robôs em mal funcionamento, classificando-os como robôs dissidentes. Brava com as perturbações de WALL-E, EVA o leva até uma nave de fuga (presente na Axiom), na qual pretende enviá-lo de volta à Terra.

Wall-e Walt Disney Nostalgia
Imagem/Reprodução: Paste Magazine

Com muito sacrifício e esforço, a planta é encaminhada com êxito ao capitão, que assiste às gravações de EVA de uma Terra completamente desolada e percebe que a humanidade deve retornar ao planeta para recuperá-lo. Entretanto, dessa vez, o Auto revela sua diretriz de “não retornar” e arma um motim contra o capitão, desabilitando WALL-E com um taser bem poderoso.

Com isso, WALL-E e EVA são descartados, ou seja, são jogados diretamente em uma grande base de lixo, onde são compactados para serem lançados ao espaço. No entanto, nem tudo está perdido! Isso porque, EVA consegue libertar a si mesma e a WALL-E. Logo, ela busca encontrar as devidas peças para consertá-lo, mas percebe que as peças necessárias só existem na Terra.

Ambos conseguem idealizar o acionamento do hiper salto da nave, onde os passageiros são levados ao centro da nave, mas… Auto impede o capitão de completar o hiper salto com sucesso, iniciando uma “batalha” com ele. WALL-E tenta colocar a planta no detector, mas Auto o esmaga ao fechá-lo sobre WALL-E. Com isso, urgentemente, EVA o ajuda e o capitão finalmente consegue desativar Auto e abrir o detector. Eva coloca a planta no detector, soltando WALL-E e enviando a nave para a Terra.

Ao chegarem à Terra, EVA leva rapidamente WALL-E para o depósito, consertando-o e reativando-o com êxito. Porém, infelizmente, a memória de WALL-E é excluída e ele é revertido para sua programação padrão. Arrasada, EVA dá a WALL-E um “beijo” de despedida, causando uma fagulha elétrica que faz com que ele recupere sua memória e personalidade. Dessa forma, WALL-E e EVA então se reúnem enquanto os robôs e os humanos da Axiom começam a restaurar o ambiente da Terra.

E você, o que acha do filme “WALL-E”? Compartilhe a sua opinião conosco!

Fonte: Jovem Nerd, Brasil Escola
Imagem: Pinterest

  • Sonia Maria Custodio

    Legal.. Parabéns Juan pelo artigo!!

Cinema
@tfxbrasil

Tenho 18 anos, Fundador & CEO do TFX Startup, uma empresa com produtos, serviços e projetos inovadores. Meu primeiro empreendimento foi aos 10 anos utilizando conexão dial-up (discada).

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016

Crítica: Esquadrão Suicida

Juan de Souza05/08/2016