Cinema

Crítica: O Quarto de Jack

O Quarto de Jack” (Room) é um filme baseado na obra de Emma Donoghue, contando a história de Jack, um menino de cinco anos que é criado por sua mãe. Como toda boa mãe, ela se dedica a manter seu filho feliz e bem seguro. No entanto, a vida dos dois não é nada normal: eles vivem em um cativeiro. Enquanto a curiosidade de Jack aumenta, a resiliência da mãe alcança um ponto de ruptura.

Critica Filme O Quarto de Jack
Imagem/Reprodução: Business Insider

Inicialmente, “O Quarto de Jack” destaca o triunfante poder do amor familiar, mesmo na pior das circunstâncias. Junto de um roteiro bem elaborado, que foi adaptado pela própria autora, Lenny Abrahamson conseguiu trabalhar um assunto tão sério de uma maneira impressionante. O cinema adora retratar conflitos familiares, e já estamos acostumados com isso. Contudo, é incrível ver uma família que consegue demonstrar seu amor incondicional nessas situações.

O interessante é que, a direção trabalhou com a ideia de Claustrofobia na maior parte do filme, digo isso como se houvesse outra possibilidade, mas a predominância de cores simples, o clima sombrio, e os movimentos sufocantes das câmeras, realmente foram fundamentais para deixar o espectador ainda mais aterrorizado com a situação desta família, aumentando a imersão do telespectador.

Filme O Quarto de Jack Resenha
Imagem/Reprodução: Business Insider

Aparentemente, o filme é dividido em duas partes. A primeira é dominada pela dor da mãe no cativeiro e por seus esforços em manter seu filho bem feliz. Brie Larson reina demonstrando a experiência de uma grande atriz, ao nível de Cate Blanchett. Na segunda parte, o jovem Jacob Tremblay atuou de forma excelente. O filme não seria o mesmo sem a presença desta criança, que também já se tornou uma das melhores integrações.

Em “O Quarto de Jack“, não existe protagonista e coadjuvante, pelo menos não entre Brie Larson e Jacob Tremblay. Eles formaram uma bela parceria e assumiram a responsabilidade em diferentes aspectos. Para se ter uma ideia, a conexão entre ambos personagens é tão forte a ponto de “roubar o coração” do espectador.

Análise O Quarto de Jack Sem Spoilers
Imagem/Reprodução: Business Insider

Ainda assim, a atriz também surpreendeu com tamanha entrega e naturalidade. Ela apareceu com aspecto físico bem triste em grande parte do filme, devastada pela presença de “Velho Nick“, interpretado por Sean Bridgers, e pelos 7 anos que passou olhando o mundo através de uma pequena janela. Após o retorno da personagem para a sociedade, Brie retratou o sentimento de estar livre, mas não se sentir livre.

O filme também fez questão de mostrar tudo o que a para a sociedade, Brie (mãe) deixou para trás desde seu sequestro. Joan Allen e William H. Macy interpretam os pais da personagem. Com isso, o filme se torna ainda mais interessante quando o espectador percebe que não existe um “final feliz” para esta história.

Marcados por uma tragédia incompreensível, é Jack quem ganha forças e consegue unir o que sobrou de sua família. Justamente quem teria a maior dificuldade em conhecer a liberdade foi quem tirou o maior proveito dela. Os papéis se revertem aqui, pois é Jack quem passa a cuidar de sua querida Ma, ele a orienta e faz de tudo para ajudá-la a manter a sanidade.

Nossa Opinião
  • Enredo - 9.4/10
    9.4/10
  • Elenco - 9.1/10
    9.1/10
  • Direção - 8.3/10
    8.3/10
  • Trilha Sonora - 8.2/10
    8.2/10

Conclusão

Mesmo com um orçamento relativamente inferior, "O Quarto de Jack" é uma grande produção do cinema, capaz de nos fazer rever questões importantes. Por se tratar de uma história tão sombria e cruel, os detalhes em que o filme foi construído é extremamente comovente. Ele possui a capacidade de tocar bastante o espectador.

8.8/10

Imagem: IMDb

Cinema
@tfxbrasil

Meu nome é Juan de Souza, tenho 17 anos de idade, sou o Fundador e CEO do TFX Startup, uma empresa com serviços e projetos inovadores, com o foco no Brasil e em outros países da América.

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016

Crítica: Esquadrão Suicida

Juan de Souza05/08/2016