Cinema

Crítica: Procurando Dory

As pessoas geralmente guardam uma grande lembrança de sua infância. Momentos divertidos, brincadeiras, relacionamentos e claro, filmes ficam com as pessoas para sempre. Elas normalmente não se esquecem dessas coisas justamente por guardá-las no coração, e não na memória. Confira nossa crítica e descubra se vale a pena!

Procurando Dory Crítica
Imagem/Reprodução: Oh My Disney

A memória pode em algum momento começar a falhar (Olá, Dory!) e consumir lentamente essas boas lembranças, mas o coração não se esquece, você sempre se lembrará do que ama ou amou um dia. Essa é a mensagem que “Procurando Dory” passa em seus 100 minutos de duração.

O novo filme da Disney é dirigido por “Andrew Stanton“, se tratando de um Road Movie, com a mesma fórmula utilizada em “O Bom Dinossauro“. Essa fórmula não atrapalha o andamento do filme, pelo contrário, facilita a introdução de novos personagens coadjuvantes, que assim como seu antecessor, roubam a cena.

Resenha de Procurando Dory
Imagem/Reprodução: Oh My Disney

Todas os personagens inseridos em “Procurando Dory” são perfeitos e funcionam bem como alívio cômico ou solução de determinadas situações, além de criarem pequenas subtramas que não chegam a comprometer o enredo do filme.

Não ficam “pontas soltas” sobre o futuro de “Dory”, e todas as lacunas e peculiaridades deixadas por ela em “Procurando Nemo” são preenchidas (sim, descobrimos a origem do “falar baleiês”, ou da famosa canção da Dory). Todos detalhes foram meticulosamente planejados para fazer os mais nostálgicos fãs se emocionarem.

Análise Procurando Dory em Português
Imagem/Reprodução: Oh My Disney

Procurando Dory” se utiliza de metáforas para fazer pequenas críticas e paródias da sociedade e das relações, principalmente na questão de proteção ambiental e preservação dos mares e o tratamento de crianças com alguma necessidade especial e os preconceitos e dificuldades que elas tem para se enturmar.

Uma definição mais clara para o filme é: incrível. Cheio de detalhes e caprichos que deixam as texturas extremamente bonitas. Vemos a água molhando as escamas de “Hank” (o polvo) de uma maneira bem realista, até pra uma animação. Com certeza o orçamento foi muito bem utilizado aqui.

Outro aspecto positivo: a dublagem do filme é excelente, foram mantidos os dubladores originais das personagens e os que agora entraram no elenco fizeram por merecer o lugar. Todas as vozes estão combinando perfeitamente com os personagens, eles até se deram ao direito de fazer uma piada com um típico meme brasileiro durante uma cena (sem spoilers!). A boa dublagem faz com que as cenas funcionem muito bem em todos os momentos, dando um contraste perfeito entre as falas.

[wp-review]

Imagem: IGN

Cinema

Tenho 19 anos, Fundador & CEO do TFX Startup International, uma empresa com produtos, serviços e projetos inovadores. Meu primeiro empreendimento foi aos 10 anos utilizando conexão dial-up (discada).

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Os Incríveis 2

Juan de Souza03/08/2018

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016