Cinema

Crítica: O Bom Gigante Amigo

O grande Steven Spielberg possui duas linhas bem claras ao longo de sua carreira, a primeira é pautada em filmes voltados a um público infanto-juvenil, mesclando ação, aventura e fantasia com uma sensibilidade única do diretor, como, por exemplo: E.T. – O Extraterrestre e Indiana Jones. Mas será que o filme consegue agradar? Descubra!

O Bom Gigante Amigo Crítica
Imagem/Reprodução: Rotten Tomatoes

O Bom Gigante Amigo” é um desses filmes que traz toda essa magia da narrativa, da ilusão e do sonho para as salas de cinema. O filme que não vem sendo nenhuma unanimidade desde sua estreia, é exatamente sobre essa narrativa fantasiosa que o filme consiste.

O filme começa com a protagonista, Sophie correndo pela madrugada, pegando um livro e voltando para cama, durante a noite, a garota começa a ler e aí a aventura da garota se inicia, é importante ressaltar que Sophie não começa ler o que será visto na tela como inúmeros filmes, mas aquela simples ação é como se o filme se abrisse para as inúmeras possibilidades que uma boa história pode causar.

O Bom Gigante Amigo Crítica
Imagem/Reprodução: Rotten Tomatoes

O Bom Gigante Amigo” acompanha a desventura da Sophie que encontra um gigante vagando pelas ruas de Londres e é levada para a terra sensacional onde a criatura vive. Lá ela descobre que aquele o gigante é, na verdade, um dos mais nanicos da sua espécie com apenas sete metros de altura e vive amedrontado por outros sete monstros, que renegam o gigante por não comer as crianças.

Tempos depois, Sophie ajuda seu novo amigo a se livrar dessas malvadas criaturas, literalmente. Nessa história totalmente fantasiosa, a mesma é narrada a todo instante com um tom fabulesco, sempre com um olhar inocente, Steven Spielberg tenta colocar na tela o que seria um incrível sonho infantil.

O Bom Gigante Amigo Review
Imagem/Reprodução: Rotten Tomatoes

Dessa vez, Steven Spielberg explicita todo seu ilusionismo, toda a arte de narrar uma história, assim como o gigante, o diretor desenvolve sonhos e essas cenas contém tudo o que o cinema é, a tela representada pelas sombras, o público é exatamente como o menino deslumbrado pela história, que passa diante de seus olhos, e atrás de toda aquela fantasia, um homem que tem o prazer de narrar tudo aquilo, Spielberg sente o prazer da narrativa, sente o prazer de ser um ilusionista.

É por isso que o fãs de Spielberg, mesmo com todas suas derrapadas, continua honesto mesmo quando está em suas narrativas são mais infantis e a frente de um pretenso Blockbuster, o cineasta consegue dar um toque pessoal ao filme, condição rara no cenário atual.

Resenha The BFG Filme
Imagem/Reprodução: Rotten Tomatoes

Além de seu extremo envolvimento com a obra, o diretor demonstra um controle absoluto da forma cinematográfica no ponto alto da aventura, onde Sophie está sendo perseguida pelos sete gigantes e precisa esconder-se pelos mais inventivos locais na casa de seu amigo de sete metros, toda essa ação espetacular é filmada em um plano sequência, que acompanha toda a trajetória de Sophie, sem exageros, numa movimentação bem orquestrada e sempre visualmente interessante.

Nossa Opinião
  • Enredo - 9.1/10
    9.1/10
  • Elenco - 9.0/10
    9.0/10
  • Direção - 8.7/10
    8.7/10
  • Dublagem - 8.5/10
    8.5/10
  • Trilha Sonora - 8.6/10
    8.6/10

Conclusão

Sem dúvidas, o novo filme de Steven Spielberg ainda está longe de seus maiores clássicos, principalmente com algumas falhas na estrutura narrativa do longa, "O Bom Gigante Amigo" apresenta algumas barrigas narrativas que causam momentos desnecessários e até certo ponto apelativo, que acaba caindo num humor pastelão que serve mais como um tapa buraco do que qualquer outra coisa. O filme, portanto, é daqueles que ganha pela sua imaginação, que consegue ser um sonho em forma de filme.

8.8/10

Imagem: Rotten Tomatoes

Cinema
@tfxbrasil

Tenho 18 anos, Fundador & CEO do TFX Startup, uma empresa com produtos, serviços e projetos inovadores. Meu primeiro empreendimento foi aos 10 anos utilizando conexão dial-up (discada).

Veja também outras matérias relacionadas a Cinema:

Crítica: Moana

Juan de Souza06/01/2017

Crítica: Rogue One – Uma História Star Wars

Juan de Souza17/12/2016

Curiosidade: As cenas reutilizadas da Disney

Juan de Souza18/10/2016

Crítica: Meu Amigo, o Dragão

Juan de Souza02/10/2016

Filmes que todo empreendedor deveria assistir no Netflix

Juan de Souza14/08/2016

Crítica: Esquadrão Suicida

Juan de Souza05/08/2016